Tiros na Cabeça! Os 5 melhores livros de zumbis

Era a década de 90 e em um bom domingo de manhã eles viveram juntos estranhamente os zumbis das after parties com os madrugadores da primeira missa. E nada aconteceu, cada um seguiu seu caminho como se não se pudesse ver (talvez porque os religiosos não tenham cérebro para despertar a fome do zombies...)

Brincadeiras à parte, o fato é que todos sabemos que os zumbis costumam atacar. E você tem tudo a perder, a menos que aponte seu rifle para a porra da cabeça deles, para que seu sangue negro exploda no ar. E talvez estes dias com uma pitada de apocalipse viral nos sejam representados em maior medida como uma profecia autorrealizável a partir deste tipo de leituras, mas devemos ter esperança na medicina, como Will Smith em I Am Legend...

T√£o cru e t√£o fascinante. Porque ao redor do abrigo do fen√īmeno zumbi, o cinema e a literatura cresceram para a gl√≥ria maior de um termo que veio diretamente das cren√ßas mais sombrias da √Āfrica Central. Decifrar quais s√£o os melhores livros de zumbi Entre tantas op√ß√Ķes, carrega consigo um ponto subjetivo ineg√°vel, mas tamb√©m √© sobre isso, de embaralhar opini√Ķes.

Vamos dar um passeio pelos melhores livros ou sagas daqueles autores cujos cérebros parecem ter sido comidos por algum ser morto-vivo. O típico zumbi determinado a se espalhar como um vírus para a posteridade, através da imaginação febril do narrador de plantão. As melhores histórias de zumbis...

Os 5 principais livros de zumbis recomendados…

Célula por Stephen King

Eu sei que muitos de vocês vão pensar que existem muitos romances excelentes e até séries sobre zumbis. Mas você também reconhecerá que tudo o que toca Stephen King, O Rei Midas da imaginação mais sombria o transforma em ouro negro por sua capacidade de nos imitar em suas tramas até os ossos ...

dia 1 de outubro: Deus est√° no c√©u, o mercado de a√ß√Ķes est√° em 10.140, a maioria dos voos chega a tempo e Clayton Riddell, um artista do Maine, quase salta de alegria pela Boylston Street em Boston. Ele acaba de assinar um contrato para ilustrar uma hist√≥ria em quadrinhos que lhe permitir√° sustentar sua fam√≠lia com sua arte ao inv√©s de ter que dar aulas. Ele j√° comprou um presente para sua esposa sofredora e tem certeza do que vai dar a seu filho Johnny. Por que n√£o tamb√©m algo para voc√™?

Clay sente que as coisas v√£o melhorar, mas de repente tudo se transtorna: ocorre uma devasta√ß√£o massiva, causada por um fen√īmeno que mais tarde se chamar√° El Pulso, que √© reproduzido pelo celular. De todos os telefones celulares. Clay, junto com alguns sobreviventes desesperados, √© lan√ßado em uma era das trevas, cercado pelo caos, hecatombe e uma massa de humanidade degradada ao seu estado mais primitivo. Este romance fascinante, absorvente e cruel n√£o s√≥ faz a pergunta "Voc√™ pode me ouvir?", Mas tamb√©m responde, e de uma maneira muito, muito perturbadora.

Célula por Stephen King

Guerra Mundial Z por Max Brooks

Quem diria ao bom e velho Mel Brooks, comediante por excel√™ncia, que seu filho Max Ele iria se dedicar √† causa de narrar a ‚Äúvida‚ÄĚ e a obra dos zumbis. Algo como ter seu filho saindo do Bar√ßa e voc√™ ser titular preferencial de ingressos para a temporada do Real Madrid.

Nada melhor do que dar uma reviravolta nos argumentos t√≠picos para apontar essa diferen√ßa marcante, essa voca√ß√£o revolucion√°ria. Porque muito se escreveu sobre zumbis desde tempos imemoriais e in√ļmeros filmes foram gravados. O objetivo era inovar. Qualquer leitor deste ‚Äúromance‚ÄĚ transmitir√° a voc√™ aquele sentimento de inquieta√ß√£o que surge ao enfrentar algo t√£o sombrio como a exist√™ncia de seres malignos da no√ß√£o jornal√≠stica.

Esta es la crónica del desastre, los testimonios de los supervivientes, el reflejo de lo que quedó de nosotros después de la peor epidemia que asoló nuestra civilización.La cosa es que tampoco el hecho de reflejar las impresiones de los supervivientes en pasado deje espacio a a tranquilidade. Porque com certeza ninguém sabe ainda se pode haver novas ondas por aí ...

Sobrevivemos ao apocalipse zumbi, mas quantos de n√≥s ainda somos assombrados por mem√≥rias desses tempos terr√≠veis? N√≥s derrotamos os mortos-vivos, mas a que custo? √Č apenas uma vit√≥ria tempor√°ria? A esp√©cie ainda est√° em perigo de extin√ß√£o? Contado pelas vozes daqueles que testemunharam o horror, Guerra Mundial Z √Č o √ļnico documento que existe sobre a pandemia que estava prestes a acabar com a humanidade.

Guerra Mundial Z

Apocalypse Z, de Manel Loureiro

Nada para invejar Brooks. Porque a sua cenografia poderosamente magn√©tica entre o m√≥rbido, o suspense e o p√Ęnico, fazem da trilogia iniciada com este romance todo um universo aut√≥nomo da conquista zombie do nosso planeta a partir do que os romanos outrora consideraram, aqui se entende, como o fim do mundo, n√£o Terrae mais ultra isso √© Galicia ...

Em algum lugar do Cáucaso, um grupo de rebeldes ataca uma instalação militar e acidentalmente libera uma doença que se espalha sem controle por todo o planeta. Os infectados pelo vírus morrem, mas apenas na aparência, pois em poucas horas voltam à vida e atacam pessoas livres de contágio, movidas por uma agressividade desconhecida e sem limites.

O protagonista, um jovem advogado que mora em uma pequena cidade, assiste ao notici√°rio gotejar espantado at√© que a misteriosa praga chega √† sua porta. A partir desse momento, o seu √ļnico objetivo ser√° tentar sobreviver, atravessando o territ√≥rio que antes conhecia como Gal√≠cia, mas que agora se transformou em um inferno na terra.

Apocalipse z

Sou uma lenda

Sem falar claramente sobre zumbis, o assunto tem aquele mesmo cheiro de carne morta e seu cenário comunga com a noção de apocalíptico (aliás, eu estava na porta do prédio onde Will Smith estava confinado em meio filme) . Então, o romance de Richar Matheson também entra no universo zumbi para mim.

Al√©m de um grande filme como entretenimento, mas carente de todo o desenvolvimento do romance, o romance nos d√° muito mais. Porque a verdade √© que ler a vida e obra de Robert Neville, o √ļltimo sobrevivente da cat√°strofe bacteriol√≥gica que fez de nossa civiliza√ß√£o um mundo misto de zumbis e vampiros, √© muito mais perturbador l√™-lo do que em sua visualiza√ß√£o adaptada.

O cerco a que Robert é submetido noite após noite, as suas idas àquele mundo transformaram-se numa versão sinistra do que era, os confrontos com a vida e a morte, os riscos e a esperança final ... um livro que não se pode parar de ler.

Sou uma lenda

Zona Um, de Colson Whitehead

Uma boa maneira de uma trama de zumbis se destacar entre muitas outras √©, como em muitas ocasi√Ķes, contribuir com algo diferente, para escapar do formato t√≠pico de infec√ß√£o - batalha - solu√ß√£o extrema.

No caso deste livro Zona Um você obtém aquele ponto de terror com o qual tempera a trama com aquele calafrio de medo. Mas também, na leitura surpresas, mistérios, reviravoltas são previstas. Uma espécie de premonição negra nos acompanha enquanto avançamos por Manhattan com Mark Spitz e sua brigada.

Em casos extremos, o valor da vida √© muito relativo. Tudo depende se voc√™ est√° infectado ou n√£o. Trata-se de erradicar o mal que anseia dominar toda a esp√©cie com o golpe das bact√©rias. At√© agora, o t√≠pico nessas hist√≥rias de infec√ß√Ķes e mortos-vivos.

A Zona Um é o epicentro, o baluarte defensivo do mal, a célula-mãe da pandemia protegida por seus zumbis como formigas teimosas. O que pode estar escondido ali é algo que Spitz e seu povo nunca poderiam ter imaginado.

E √© a√≠ que a hist√≥ria surpreende e fascina, onde voc√™ aprecia ter mergulhado em mais uma hist√≥ria de zumbis que se torna uma hist√≥ria de zumbis √ļnica. O ponto de ruptura com tantos romances e filmes anteriores tem a ver com uma esp√©cie de dupla visualiza√ß√£o da hist√≥ria.

O que acontece nas ruas de Manhattan e o que os zumbis, transformados em símbolos, podem vir a significar em uma sociedade de consumo e amplamente deformada em princípios e realidade. Pode parecer transcendente, mas há algo dessa abordagem sociológica entre os mortos-vivos e aqueles que se encarregam de fazê-los desaparecer ...

Zona Um, de Colson Whitehead
5 / 5 - (45 votos)

1 coment√°rio sobre ¬ęAtire na cabe√ßa! Os 5 melhores livros de zumbis ¬Ľ

  1. √Č dif√≠cil encontrar um romance de zumbi que n√£o seja divertido, na melhor das hip√≥teses. Do g√™nero, gostei muito de Cell, com bastante ritmo e, mais recentemente, Zombie Republic, uma distopia em que a Segunda Rep√ļblica vence a Guerra Civil e depois ocorre um holocausto nuclear

    resposta

Deixe um coment√°rio

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de coment√°rio s√£o processados.